segunda-feira, 18 de abril de 2011

Bullying e a Violência nos dias atuais!

Temos visto atualmente muitos atos de violência em que a justificativa usada pelos assassinos para justificar atos tão cruéis tem sido o fato deles mesmo terem sido vítimas, do tão falado, bullying em suas infâncias.
O que eu gostaria de discutir aqui hoje é que o Bullying de fato existe e é um problema que não pode ser ignorado, mas que do mesmo modo que outros distúrbios já cairam no gosto popular e já passaram a ser usados indiscriminadamente para justificar qualquer coisa (como é o caso da hiperatividade, depressão, etc), o Bullying parece estar indo pelo mesmo caminho. Então vamos aos fatos:
- Crianças e adolescentes muitas vezes podem ser realmente cruéis um com os outros e discriminar uma criança ou adolescente quando este apresenta traços muito diferentes da "normalidade" e principalmente quando a pessoa parece de fato se incomodar com aquela gozação ou rótulo.
- Para a pessoa vir a se tornar um assassino, ou psicopata, ou algo do gênero, não é necessário que ela tenha sofrido o Bullying ou uma discriminação qualquer. Mas ela já apresenta uma predisposição que pode vir a desenvolver um quadro psicótico. Não é porque alguem foi discriminado, ou vítima de Bullying, como temos ouvido falar em alguns meios de comunicação, que a pessoa vai sair cometendo atos de violência. Se fosse assim, a maioria das pessoas estariam propensas em algum momento praticar algum ato violento, pois quem nunca foi contrariado? Ou quem nunca ouviu alguma gozação quando criança?
Acredito que este assunto não se esgota por aqui, mas poderá ser tema para próximas discussões.

2 comentários:

Felipe Moreira disse...

Importante acrescentar que muito deste comportamento é "culpa de todos".
Os meios de comunicação nos ensinam a banalizar este problema, tornando-o parte do cotidiano. Mas não há NADA de normal em atormentar, agredir e ameaçar.
Também não podemos simplesmente aceitar que estas pessoas são "fruto do sistema". Nem só filhos de lares violentos e deturpados se tornam os chamados valentões.
Algumas vezes, a simples omissão é suficiente para criar este comportamento.
Quando conhecemos a realidade conturbada, ou mesmo doentia, e não nos manifestamos, e deixamos a pessoa ficar num estado deturpado, estamos igualmente contribuindo para semear este tipo de comportamento.
E neste caso, a culpa de qualquer "desastre" será inteiramente NOSSA.

Cintia Cristiane Monteiro disse...

Muito bom Renata, posso postar no meu blog?